domingo, 29 de abril de 2012

Historia de Dores do Rio Preto ES




Dores do Rio Preto é o segundo mais alto município do Estado do ES, só superado por Venda Nova do Imigrante, com 770 metros de altitude em sua sede. Os primeiros moradores do lugar foram imigrantes mineiros, italianos e portugueses. A partir de 1912 o lugar passou a ser servido por uma estrada de ferro, hoje desativada como em tantos outros municípios capixabas.
Ainda no início do século, mais precisamente em 1912, famílias mineiras, italianas e portuguesas construíram uma usina hidrelétrica, rede de água, estrada de ferro e a primeira capela do povoado, com a ajuda do pioneiro Firmino Dias, que passou a ser conhecido com o nome de Divisa, nome este por ser a divisa entre os estados do Espírito Santo e Minas Gerais.
Distrito de Guaçuí, o povoado manteve sua economia baseada na extração da madeira para fornecimento de dormentes para a Companhia Ferroviária Leopoldina, do café e dos cereais. No período de 1920 a 1959 estes produtos chegaram a ser exportados, o povoado atraiu compradores de café e concentrou casas comerciais.
Em 30 de dezembro de 1963 o então Governador Francisco Lacerda de Aguiar assinou a Lei 1.914 de Emancipação Política, e assim no dia 07 de abril de 1964 o antigo Distrito de Divisa se desmembrava de Guaçuí, recebendo o nome de Dores do Rio Preto em homenagem a padroeira local, Nossa Senhora das Dores e ao Rio Preto.
Localizado a 243 quilômetros de Vitória, na Região Sul e Microrregião do Caparaó, Dores do Rio Preto apresenta uma população de 6.167 habitantes, onde, deste, 50% residem na zona rural, porém, 80% da população esta diretamente ligada ao setor produtivo primário.
A região possui diversas cachoeiras. A cidade, por estar nas proximidades da Serra do Caparaó também possui belíssimos cenários naturais, sendo o mais famoso, o Pico da Bandeira.
A subida ao Pico da Bandeira pode ser feita a pé ou com animais de montaria alugados, contando ainda com uma circulação de jipes de empresas particulares que exploram esse serviço, como autônomos ou em convênio com os hotéis da região.
O acesso ao lado capixaba do pico é feito pela localidade de Pedra Menina, no município de Dores do Rio Preto, dividido apenas pela ponte do distrito de Paraíso, em Espera Feliz, Minas. Ali, como em território mineiro, existem 15 guias credenciados para levar os visitantes ao pico. A entrada no parque fica a 8 km acima da Pedra Menina, de onde segue-se a estrada que leva até a planície da Macieira, numa altitude de 1.800 m.
Antes de chegar até ali, no entanto, o visitante cruza, pelo menos umas cinco vezes, a divisa entre o Espírito Santo e Minas Gerais, ora quando atravessa o Rio São Domingos - que leva ao lado de Minas -, ora quando passa pelo Rio Preto. Escondidas mata abaixo estão também selvagens cachoeiras, que não têm sequer trilhas. Em noite de inverno a temperatura pode chegar até a 8 graus negativos. O nome Pico da Bandeira foi dado pelo fato de que, em 1859, D. Pedro II ter determinado que fosse colocada uma bandeira do Império no pico mais alto da Serra do Caparaó.
ALGUNS PONTOS DE TURISMO E LAZER
Parque Nacional do Caparaó (Pico da Bandeira)
Trilha da Pedra Menina
Cachoeira Três Estados
Cachoeira do Remanso
Cachoeira do Cambucá
Cachoeira Alta
Cachoeira Carlinhos
Cachoeira do Aurélio
Ruínas Nossa Senhora Anunciata
Projeto Cama & Café
Propriedades Rurais típicas
Fonte: Prefeitura de Dores do Rio Preto. (04/03/2011)

Nenhum comentário:

Jogo Pacman